PSDB LIDER EM CORRUPÇÃO!

 

Índice geral São Paulo, quarta-feira, 10 de outubro de 2012Poder

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice | Comunicar Erros

SAIBA MAIS

Folha revelou compra de voto pró-FHC em 1997

Reportagem da Fernando Rodrigues na Folha de 13 de maio de 1997 revelou gravação em que o deputado Ronivon Santiago (do então PFL-AC) contava a um amigo que havia recebido R$ 200 mil para votar a favor da emenda da reeleição do presidente tucano FHC. Santiago dizia que R$ 100 mil vieram em dinheiro e que o restante seria pago por uma empreiteira. A reportagem ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo.

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice | Comunicar Erros

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/71212-folha-revelou-compra-de-voto-pro-fhc-em-1997.shtml

11/07/2012 – 12:23

Demóstenes cita Cristo e pede que congressistas não ‘lavem as mãos’

Da Redação – Lucas Bólico

O senador Demóstenes Torres (sem partido) apelou para a passagem bíblica que versa sobre o julgamento de Jesus Cristo para pedir que não fosse cassado, durante sessão realizada no Senado Federal, nesta quarta-feira (11). O parlamentar pediu que seus pares não fizessem como Pôncio Pilatos, que ao lavar as mãos levou Cristo para a cruz.
Torres afirmou que Pilatos preferia não crucificar Cristo, mas o fez por conta do peso da pressão popular. “Me deixem ser julgado pelo Judiciário”, pediu. E mais tarde voltou a citar Cristo. “Disseram: diga-me com quem andas, que direi quem tu és, e Cristo andava com Judas. Se Cachoeira cometeu crime, cana nele”, argumentou.
“Senhoras e senhores, eu jamais menti aqui. Eu tenho uma conduta parlamentar impecável. Quantas vezes eu procurei um senador ou qualquer ministro para pedir qualquer favor para Carlos Cachoeira?”, indagou.
“Eu não posso ser julgado para dar o exemplo”, solicitou. “O meu tratamento tem que ser isonômico. Me dêem o direito que foi dado a tantos outros, de fazer a minha defesa”, completou.
Demóstes Torres é acusado de usar seu mandato como senador para beneficiar o contraventor Carlos Cachoeira, preso por comandar um esquema de jogos ilegais no Estado de Goiás.

Fonte: http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?noticia=Demostenes_cita_Cristo_e_pede_que_congressistas_nao_lavem_as_maos&id=268050


Índice geral
São Paulo, sexta-feira, 13 de julho de 2012Poder
Poder
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice | Comunicar ErrosLeréia será submetido à Comissão de Ética do PSDB, afirma GuerraGrupo pode expulsá-lo do partido por ligação com Cachoeira 

DE BRASÍLIAO presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), disse ontem que submeterá o caso do deputado Carlos Alberto Leréia (GO) à Comissão de Ética do partido, que pode expulsá-lo.

Anteontem, a Corregedoria da Câmara recomendou a cassação de Leréia, suspeito de envolvimento com Carlinhos Cachoeira. Dos cinco investigados, três deputados foram inocentados.

Pesaram contra Leréia a relação pessoal e os negócios com o empresário. Nas interceptações telefônicas feitas pela PF, ele aparece cobrando depósito de R$ 100 mil de um auxiliar de Cachoeira.

“Não tenho outra alternativa. Vou levar o assunto à comissão de ética”, afirmou Guerra.

Líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE) disse que o processo no partido “é uma tendência natural”.

“O mais importante será quando o conselho de ética referendar o recebimento da denúncia. Combinamos que Leréia teria o tempo necessário para sua defesa. Se o partido tiver que fazer algum movimento, é a partir do momento do conselho de ética.”

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice | Comunicar Erros

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/54233-lereia-sera-submetido-a-comissao-de-etica-do-psdb-afirma-guerra.shtml

A lavagem de dinheiro e a corrupção chegam em José Serra

1/11/2012 02:00:00 AM

jose_serra

Esta é a última parte do relato de um assalto ao patrimônio público brasileiro. Até aqui, relembramos como foi o escândalo das privatizações, por si só algo digno de revolta. Depois, mostramos como é feita a transação em paraísos fiscais, que os tucanos utilizaram para enriquecer e viver no luxo. Agora vamos mostrar como toda essa sujeira chega no ex-candidato a presidente da República, José Serra — uma das (ex-)cabeças coroadas do tucanato — através de seus parentes e amigos.

PRECIADO, O PRIMO DE SERRA QUE AMA O (BANCO DO) BRASIL

O empresário espanhol naturalizado brasileiro Gregorio Marín Preciado, casado com uma prima do tucano José Serra, costuma propor brindes em suas festas dizendo “Viva el Brasil!”. Talvez ele devesse dizer, na verdade, “Viva el Banco do Brasil!”. E não é pra menos. Você também amaria um país cujo banco nacional abatesse de forma amiga R$ 448 milhões em pendências financeiras suas, convertendo para R$ 48 milhões – uma redução de 109 vezes o valor da dívida… Foi a proeza que conseguiu Preciado na época em que o PSDB governava o país. Em gratidão, Preciado doou quase R$ 90 mil para a campanha do primo ao Senado. Uma mão lavando a outra.

Mesmo inadimplente e com uma dívida monstruosa, Preciado teve mais um empréstimo aprovado pelo banco. Consegue R$ 2,8 milhões. Quando começou a farra das privatizações no Brasil, o primo de Serra entrou na brincadeira. Montou o consorcio Guaraniana, que adquiriu três estatais de energia elétrica do nordeste. Mais uma vez, lá estava Ricardo Sergio de Oliveira colocando sua influência junto aoPrevi e ao BB em cena para favorecer com bilhões de Reais o consórcio do amigo.

A FILHA E O GENRO DE SERRA APRENDEM MUITO BEM COMO INTERNAR DINHEIRO SUJO NO PAÍS

Alexandre-Bourgeois-Veronica-Serra

Verônica Serra — filha de José Serra — e seu marido, Alexandre Bourgeois (imagem à esquerda), se conheceram nos Estados Unidos nos anos 90. Logo se casaram e tornaram-se sócios na IConexa S.A. em 1999. Essa empresa tinha a finalidade de receber dinheiro procedente da IConexa Inc., uma offshore sediada nas Ilhas Virgens Britânicas. O acionista e procurador da IConexa Inc. é Alexandre Bourgeois, que assina nas duas empresas — a que envia o dinheiro, e a que recebe no Brasil. Parece que Verônica Serra e seu marido aprenderam direitinho com o ex-tesoureiro do pai como trazer de volta ao país dinheiro lavado.

Em 2001 Verônica abre outra empresa, a Decidir.com.inc em sociedade com a xará Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, do banco Opportunity. A empresa passa a atuar com um capital de 5 milhões de dólares, investido pelo grupoCiticorp, ligado a Ricardo Sergio, e pelo próprio Opportunity. A ligação das duas Verônicas é negada até hoje pela filha de Serra, ambas  denunciadas por expor o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros em 2001, mas Amaury Ribeiro traz em seu livro novos documentos que provam a sociedade.

Pouco depois, Decidir é transformada em offshore e se muda de Miami para… asIlhas Virgens Britânicas, é claro, e rebatizada como Decidir International Limited. Atua como uma “empresa-ônibus”, cuja finalidade é transportar dinheiro sem origem justificada entre contas bancárias pelo mundo. A offshore Decidirinterna dinheiro na Decidir do Brasil. De uma só vez, a offshore derrama R$ 10 milhões na sua homônima brasileira em 2006. Apesar de todo esse investimento, a empresa vai muito mal. Logo no primeiro ano a Decidir brasileira acumula um prejuízo de R$ 1 milhão. Em compensação, a dona da empresa, Verônica Serra, vai muito bem. Ela compra uma casa de praia em Trancoso, na Bahia, área de luxo, e também uma mansão numa área nobre de São Paulo por R$ 475 milna qual José Serra mora até hoje.

O genro do ex-candidato à presidência do Brasil também aprendeu com Ricardo Sergio o caminho das pedras. Alexandre Bourgeois é dono, além da IConexa Inc.,também da Vex Capital Inc., ambas abrigadas no paraíso fiscal do Citco Building, nas Ilhas Virgens Britânicas. Ambas as empresas internam R$ 8 milhõesem duas outras empresas abertas em São Paulo pelo próprio genro de Serra, aOrbix AS e a Superbid.com.br, que mais tarde vai se transformar na já citadaIConexa S.A.

CONCLUSÃO

amaury-ribeiro

Esse foi um pequeno relato da série de crimes contra o patrimônio público, contra a Receita Federal, e principalmente contra a ética política, cometida por uma gangue de políticos do alto escalão do PSDB na época das privatizações. É preciso reverenciar a pesquisa e agradecer ao jornalista investigativo Amaury Ribeiro Jr (imagem à direita) pelos 10 anos de trabalho árduo, paciente, minucioso, para desvendar os caminhos da sujeira e da corrupção numa das eras mais negras da história brasileira. Numa área em que tudo é feito para mascarar a procedência e as negociatas das propinas e da corrupção, o autor conseguiu mostrar de forma clara como funcionou a lavanderia montada por membros do PSDB e seus familiares durante a farra das privatizações. O autor aponta ainda a solução simples para que coisas como essas jamais voltem a acontecer no Brasil: bastava o governo proibir a sociedade de offshores com firmas brasileiras, caso não fosse identificado o nome de seus verdadeiros donos em seus balanços contáveis. Mas ainda assim é pouco. É preciso punir os casos já descobertos, e por isso é crucial a sociedade brasileira exigir e acompanhar a implementação da CPI da Privataria, com previsão para os próximos meses.

Infelizmente a mobilização nacional não contará com o apoio da mídia brasileira. Mas ao menos, se você ainda tinha dúvidas, este silêncio constrangedor serviu para expor de maneira insofismável, de uma vez por todas, de que lado a imprensa oligárquica neste país, representada por empresas como a Folha, as Organizações Globo, a Revista Veja, o Estadão, entre outros, está. Espero que 2012 seja o ano da mudança de mentalidade no Brasil. A mudança, aliás, já começou. Os participantes desse banditismo nacional e a mídia estão acuados, sem saber o que fazer a respeito, por conta da força da divulgação dos blogs e das redes sociais. Nós sabemos o que fazer. Feliz ano novo.

Fonte: http://ramanavimana.blogspot.com.br/2012/01/lavagem-de-dinheiro-e-corrupcao-chegam.html

Politica MT

27/07/2012 | 19h51mGilmar Mendes é citado em esquema para caixa 2 de campanha política

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o mato-grossense Gilmar Mendes, seria um dos mais novos denunciados de beneficiados do Caixa 2 do esquema “Valérioduto”, orquestrado pelo publicitário Marcos Valério de Souza durante campanha de reeleição do governador Eduardo Azeredo, em 1998. A denúncia foi veiculada pela revista Carta Capital, na edição desta sexta-feira (27).

Segundo a edição, o esquema inclusive foi registrado em cartório e a lista com todos os beneficiários obtida pela reportagem foi entregue à Polícia Federal pelo advogado Dino Miraglia. Consta ainda na lista alguns órgãos da imprensa, entre os mais destacados está o grupo Abril, destinatário de mais de R$ 49 mil em apenas uma movimentação.

Além do ministro Gilmar Mendes, está o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), os ex-senadores Artur Virgílio (PSDB-AM), Heráclito Fortes (DEM-PI),os senadores Delcídio Amaral (PT-MS) e José Agripino Maia (DEM-RN), o governador Marconi Perillo (PSDB-GO) e os ex-governadores Joaquim Roriz (PMDB) e José Roberto Arruda (ex-DEM).

O advogado responsável por entregar a papelada à Polícia Federal é o mesmo que defende a modelo Cristiana Aparecida Ferreira, assassinada em 2000 e cuja morte, segundo Miraglia denunciou à Carta, também está relacionada ao esquema. A modelo teria sido morta em uma queima de arquivo e seria destinatária de quase R$ 2 milhões.

Atualizada   Por: Priscilla Vilela   Fonte: Olhar Direto

MP de Goiás abre investigação contra Demóstenes Torres

O Ministério Público de Goiás abriu investigação contra Demóstenes Torres. O ex-senador é Procurador de Justiça e pretende retomar as funções no estado. A vaga perdida no Congresso já foi ocupada pelo suplente, que pegou os colegas da casa de surpresa, pela rapidez. Visite o UOL Notícias
Atualizado em 13/07/2012 às 21h55
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta